Amar é saber deixar ir com a mesma intensidade e presença com que se deixar chegar.

A Eve chegou na nossa casa quando a última coisa que queríamos era um gato de estimação. Ela literalmente nos seguiu até em casa, bateu na nossa porta e só sossegou quando a deixamos entrar.

Foto tirada em 31/08/2018, quando a Eve começou a nos seguir até a porta de casa.

Engraçado pensar que por alguma razão, no meio de tantas pessoas que alimentavam aquela gatinha encardida e cheia de pulgas, elas nos escolheu como sua família.

Confesso que o começo foi desafiador. Não sabíamos nada sobre gatos. Fomos aprendendo aos poucos a respeitar o espaço dela e aceitar que ela não respeitaria o nosso e ponto. (Não demorou muito pra ela tomar metade da cama e deixar pra mim e pro Rodolfo apenas a outra metade!)

19/02/2019, na nossa cama!

Com a Eve eu confirmei tudo que sempre acreditei ser amor: amar a si mesmo antes de querer amar o outro; respeitar e ser respeitada; ter momentos saudáveis de solidão e silêncio; não aceitar nada menos do que carinhos gostosos, uma boa comidinha, água fresca e momentos de diversão.

A Eve também me provou o que há muito eu já suspeitava: que a vida é feita de ciclos e que vive bem quem entende que esses ciclos servem para acabar.

Bem,

Ela foi um grande aprendizado pra mim, mas ela nunca foi minha. A nossa relação sempre foi muito mais de irmãs e cúmplices do que de mãe e filha, ou “dona” e “bicho de estimação”.

Nos comunicávamos muito!

Eve depois do seu primeiro banho! Indignada!

Ela me comunicava amor a cada amassadinha de pãozinho que fazia no meu ombro enquanto se ajeitava para dormir. Ela me fazia sentir compreendida a cada olhar que lançava nos meus momentos de maior angústia.

Não foi só a mim que a Eve ensinou. Ela provou para o Rodolfo que o amor por um bicho nutre a alma e aquece o coração. E ela fez isso a duras penas e com muita dedicação. Dava pra sentir o quanto ela se apaixonou por ele desde o primeiro instante e o quanto se dedicou em conquistar o coração dele quando ele ainda não estava certo de que era uma boa ideia deixa-la entrar.

Por alguma razão ela confiou em nós pra fazermos parte de sua vida. Ela confiou em nós pra viver uma das tantas fases que ela mesma cria.

A Eve, que de boba não tem nada, teve morada em nosso lar e ao mesmo tempo criou laços profundos de amor e amizade com a Pamela.

“Mas quem é Pamela?”, você pode estar se perguntando.

Bem, a Pamela foi a primeira pessoa a bater na nossa porta para oferecer ajuda quando havíamos acabado de chegar em San Diego sem fazer ideia do que esperar.

Ela morava no apartamento 8 enquanto morávamos no 6.

Ela bateu na nossa porta quando ouviu nossa tosse decorrente de uma gripe fortíssima e nos ofereceu chá, sopa e remédio.

Ela foi quem nos ensinou a cuidar da Eve (já que nunca havíamos tido gato) e tomou conta daquela felina sem vergonha todas as vezes que precisamos viajar.

Ela nos dava presentes, nos dava presença, cuidava das plantas que eu não sabia cuidar e se tornou nossa família americana nos últimos quase 4 anos.

Bem, a Pamela é uma pessoa fácil de amar e confiar. E a Eve sempre soube disso.

Era só vacilar que a Eve estava lá batendo na porta dela e pedindo pra entrar. Tomava sol em sua poltrona preferida, ganhava atum e iogurte enquanto trabalhávamos, recebia carinhos intermináveis e ronronava sem limites para agradecer a todo amor e cuidado que a Tia Pamela sempre deu a mim, ao Rodolfo e a ela.

Nós cumprimos a missão de cuidar da Eve e dar muito amor pelo período em que a Tia Pamela não pode tê-la. Ela – a Eve – cumpriu a missão de trazer presença, alegria e ainda mais amor pra nossa vida em San Diego!

Veja que interessante:

Assim como eu e o Rodolfo, a Eve nesse momento está começando sua terceira vida em uma só!

Ela era a Auggie quando a conhecemos: uma gatinha que era deixada pra fora de sua própria casa pelos donos que acreditavam que gatos sabem se virar sozinhos. Ela dormia na rua, no frio, na chuva. Ela sentia fome, dependia da boa vontade da vizinhança para servir algum alimento pra ela. No verão, ela pedia por água de porta em porta. No inverno, ela dormia numa caixa de papelão com um cobertor infestado de pulgas que um dos vizinhos ajeitou pra ela no quintal.

Em sua primeira vida, a Eve vivia ameaçada pelos cachorros enormes que as pessoas que diziam ser suas donas mantinham pra dentro enquanto ela implorava pra entrar.

Ela poderia aceitar que essa era sua única realidade, mas não! Ela resolveu criar uma nova vida dentro da vida que já tinha. Foi quando ela se tornou Eve!

Entrou para nossas vidas. Teve as pulgas tratadas, passou a ter alimento fresquinho e de boa qualidade todos os dias. Da caixa de papelão com cobertor, ela passou a dormir numa cama, com edredom fofinho e dois humanos que se pegavam fazendo carinho nela durante a noite. A agua fresca no pote de vidro, com direito a pedra de gelo no verão era uma realidade muito diferente da vida anterior.

A Eve, quando entrou em nossos corações, deu início à sua segunda vida em uma.

E como ela se transformou e nos transformou nesse processo!

Foram mais de 3 anos aprendendo juntos. Nós 3 trabalhando incansavelmente para nos entendermos, amarmos e acolhermos. 3 seres vivos vivendo sua segunda vida dentro de uma. 3 seres vivos construindo a vida que talvez em algum momento da vida anterior tenham até duvidado que era possível ter.

Ela e nós vivemos juntos uma segunda vida, uma segunda fase, uma ponte sem volta que nos fez chegar à terceira fase!

Quando decidimos que era hora de rumar para a nossa terceira vida, tivemos que abrir mão de seguir caminhando com a Eve.

Ela é uma gata idosa, que nunca saiu de San Diego e que nos deu sinais claros de que seu lugar era lá. Ela construiu laços fortes com alguém que a ama tanto quanto nós a amamos e garantiu que – com ou sem a gente por perto – fosse amada incondicionalmente!

Arrisco dizer que a Eve – quando entrou na nossa vida – o fez já sabendo que sua próxima fase não seria vivida ao nosso lado. Ela trabalhou o amor, a conexão e a gratidão em base regular nos últimos quase 4 anos tanto com a gente quanto com a Pamela.

Ela – assim como nós – escolheu por seus próprios méritos seguir um caminho diferente e ainda melhor do que as fases anteriores.

Hoje ela é a Evie!

Foto da Eve (agora Evie) em seu segundo dia na vida nova! A Pamela nos mandou essa foto por sms com a notícia de que a Evie estava super adaptada!

Sim, um novo nome, com a adição de um “i” que a faz viver sua nova vida ( a terceira vida em uma só).

A Evie agora vive numa casa gigante, com um jardim cheio de esquilos e plantas. Ela tem um amigo cão chamado Oso (um labrador enorme, preto e tão idoso quanto ela). Ela tem a Tia Pam e o Tio Bruce, que a amam muito e darão ainda mais mordomias do que nós já dávamos.

Esse é o Oso! E essa de vermelho é a Pamela. Não a filmei porque ela não é muito de vídeos! 😅

A Evie, logo no primeiro dia na casa nova, já estava confortável, entendendo o processo e se familiarizando com sua nova realidade.

Toda a transição foi feita com muito cuidado, muita presença e muito amor.

Tivemos o apoio da Thais e do Guilherme (dois anjos sem asas que ensinam sobre amor e animais no @porakaa). Eles nos auxiliaram em absolutamente tudo. Desde as conversas internas com a Evie até questões práticas para a adaptação dela.

Nós – eu e o Rodolfo – não tínhamos ainda vivido uma dor tão grande desde o dia em que pisamos em San Diego. Levar a Evie para sua nova vida foi tão doloroso quanto perder uma grande amiga.

Essa foi minha única tentativa de gravar o dia em que levamos ela pra casa nova. Foi a dor mais forte que senti!

Ela, por sua vez, com toda sua sabedoria, entendeu muito antes de nós que ciclos se encerram e que o amor de verdade é praticado no desapego. Ela trocou com a gente olhares profundos que diziam coisas que jamais seriam compreendidas com palavras.

Ela entendeu a decisão antes mesmo que nós conseguíssemos entender. Ela acolheu nossa escolha, compreendeu o caminho e demonstrou sem limites sua gratidão e seu amor que, sem dúvida alguma, nunca esperou algo em troca.

Foi muito mais difícil pra nós do que pra ela entender que leva-la com a gente para uma vida sem endereço e sem rotina seria egoísmo demais de nossa parte. Ela compreendeu muito antes das nossas mentes “racionais” que sua missão em nossa vida estava chegando ao fim e que ainda havia muito trabalho em sua nova missão com uma família linda e amorosa.

Nós, humanos que costumamos nos autodenominar “conscientes e racionais”, demoramos muito mais que ela para compreender que o amor não comporta egoísmo e nem muito menos posse!

Ela nos ensinou pra sempre que amor é sinônimo de compreensão, compaixão, liberdade e acolhimento.

Eu – Paula – jamais vou esquecer todo amor que recebi de um bichinho como a nossa Eve. Jamais também vou esquecer a sabedoria e tranquilidade com que ela aceitou viver uma nova realidade, com adaptabilidade, coragem e serenidade.

A Eve – que hoje é Evie – sempre terá em mim um amor sem precedentes e uma admiração profunda. Muito mais do que um gatinho de estimação, a Eve foi pra mim uma das mais intrigantes e transformadoras escolas da vida. Ela me ensinou tanto que nenhuma palavra seria capaz de descrever.

Agora estou aqui, com lágrimas nos olhos, construindo a minha terceira vida dentro de uma só e não tenho dúvida alguma de que ela – a Eve – foi uma grande ponte assim como nós fomos pra ela também.

Obrigada, Eve!

A minha segunda vida foi muito mais divertida, quentinha e feliz porque tive a sua companhia enquanto a vivia!

Um brinde ao novo começo!

Com amor,

Sua grande amiga: mamis 💛

Publicado por:Tranquilize

Um comentário sobre ldquo;Várias vidas numa só: reflexão sobre ciclos que se encerram

  1. Os bichinhos são seres divinos que nos fazem sentir e enxergar de uma maneira indescritível.
    Quando minha coelha – sim coelha – faleceu nunca imaginei que poderia chorar e sofrer tanto. Falei que não ia me apegar mais a bichinhos de estimação, pois além dela j tinha sofrido com outros tbm. Mas o universo não quis e es de maneira inesperada me deu a oportunidade de ter um cachorro que alegra meu coração e clm certeza sou uma pessoa melhor com ele ❤️

Deixe uma resposta