Você já se pegou pensando se esse tal amor que não espera algo em troca pode ser uma utopia ou talvez uma prerrogativa de pessoas muito evoluídas?

Você pode querer acreditar que ama sem esperar nada em troca, mas você espera.
Você espera ser amada de volta, espera ser tratada com respeito, espera sentir vindo do outro lado no mínimo uma gratidãozinha.

Em mais uma das milhares de conversas diárias com o Rodolfo, eu me peguei questionando essa tal habilidade de amar de graça.

E minha conclusão foi que sim! Todo mundo consegue amar de graça, mas só até a página 2!

Vou te explicar!

O amor incondicional é aquele sobre o qual não existem condições.
Pra psicologia, é o amor em que o amante se contenta em amar sozinho, sem expectativas. É o amor que não tem explicação, já que não há, necessariamente, a reciprocidade.

Bem, essa é a visão teórica e poética da psicologia, mas vamos falar da vida real?

O amor incondicional é o que se busca na evolução espiritual. Todo mundo quer dizer que tem ele em abundância dentro de si, mas amar incondicionalmente não é tão simples quanto o ato de dizer que o sente!

Reconhecer que você não sabe amar incondicionalmente é o único jeito de dar a oportunidade a você mesma de aprender. Eu sempre digo: “quem muito diz saber, pouco aprende”! E o amor incondicional não foge a essa regra.

O grande equívoco está em acreditar na balela contada pelo seu ego de que o que você sente é esse amor sem condição alguma. O Ego faz você acreditar nisso pra te dar o conforto (leia-se: ilusão) de que você é um ser humano melhor do que realmente é!

O Ego te faz acreditar que você sabe amar incondicionalmente pra te gerar o conforto (ilusão) de que você é um ser humano melhor do que realmente é!

BINGO! Primeiro indício de que o amor incondicional não é assim tão simples: pra se amar você precisa dizer a si mesma que é melhor do que realmente é! Ou seja, nem o amor por você mesma é sem condições. Que loucura, né?

O mesmo acontece com mães que dizem amar seus filhos incondicionalmente! Veja, você não os ama incondicionalmente porque se assim fosse você amaria sem distinção os seus filhos e os filhos de outras pessoas. Claramente aqui a sua condição para amar profundamente é o fato de ser SEU filho.

Ah mas eu amo meus irmãos incondicionalmente!” – ama? E se o seu irmão bater no seu filho (que você também diz amar incondicionalmente?). E se ele, numa situação extrema, ferir a sua mãe?

Percebe que mesmo o amor mais natural e genuíno está sujeito à condições?
Percebe o quanto reconhecer isso te ajuda no processo de evoluir?

Para dizer que ama alguém, você usa o EU antes da expressão.
O seu amor está condicionado a você escolher amar.

É indiscutível que o amor incondicional é a virtude mais importante a ser desenvolvida no processo de evolução. Mas você ainda está no processo e, enquanto seguir dizendo a si mesma que sabe amar incondicionalmente, você está também fechando os seus olhos pro que precisa ser aprimorado e, como consequência, está impedindo a sua própria evolução.

Dias atrás, enquanto sentada na praia, vi um moço jovem com semblante triste e roupas sujas (esse da foto aí embaixo!). Ele não tinha mais de 20 anos mas já mostrava no rosto a tristeza e a rigidez de quem luta todos os dias pra sobreviver. Quando o vi, eu senti o amor. Eu olhei pra ele com toda ternura e acolhimento que existem em mim. Esperei ele me olhar pra eu sorrir e oferecer acolhimento e ajuda. Acompanhei seus passos enquanto mentalmente o convidava pra cruzar olhares comigo.

Ele não ergueu a cabeça, seguiu o caminho olhando para o chão. Não o julgo por isso! Em quantas outras situações ele deve ter buscado olhares e não encontrou ninguém que o olhasse nos olhos? Pode ser que de tanto procurar, ele tenha desistido e perdido as esperanças de encontrar. Mas eu estava lá.

O amor que existe em mim apertou meu coração, encheu meus olhos d’água e me lembrou que eu sei sim amar, mas que meu amor ainda está condicionado.

Ele está condicionado à situação da pessoa que provoca esse amor.
Eu amo e dou meu amor a quem eu (leia-se: meu ego) julgo que precisa e merece. Eu também amo a quem reconhece o meu amor e a quem me ama de volta. Essas 3 já são condicionantes suficientes pra eu reconhecer minha limitação.

Eu (ainda) não sei amar quem me faz mal, quem faz mal aos que amo, que faz mal aos que eu sequer conheço. Eu não amo o político corrupto, não amo o assassino, não amo o ladrão. Não amo a pessoa que espanca um idoso, que abusa de uma criança ou que estupra uma mulher.
Eu não os amo e você também não.

E saber reconhecer isso faz lembrar que há muito a percorrer antes de afirmar que o amor incondicional está ai (e aqui) dentro. Ele não está agora e talvez sequer chegue ainda nessa vida!

Ok, Paula! Mas se o amor incondicional é premissa básica da evolução, como eu faço pra evoluir sem ele?

Bem, eu também estou nesse processo de descoberta, mas vou te ajudar com algumas condutas que eu aplico diariamente por aqui:

Comece se colocando na posição de observador:
Por que você ama quem diz amar? Que tipo de emoções essas pessoas te causam? Em que circunstâncias você descobriu que as amava?

Analise com honestidade quais são as condicionantes do seu amor:
O que te faz se sentir amada(o)? Você já deixou de amar alguém? Por que isso aconteceu? Você ama mais algumas pessoas do que outras? Se sim (e eu sei que sim!!), o que te faz amá-las mais?

Avalie se o que te impede de amar está no outro ou em você:
Você ama quem não te ama? Olhe pra um estranho na rua e questione mentalmente “por que eu não o amo?”, “O que me faria amar esse desconhecido?”, “Será que eu não amo essa pessoa porque ela nunca me amou ou porque eu preciso conhecê-la antes de sentir?”

Entenda que amar incondicionalmente vai muito além de dizer que ama sem esperar nada  troca:
Reconheça sua limitação e a acolha. Você não é menos humana, menos empática e nem será menos admirada só porque assume que ainda não encontrou a iluminação divina para amar a todos sem distinção. Você só precisa reconhecer isso!

Vai por mim, você não está aqui com a obrigação de já ser uma alma evoluída, gratiluz, que ama até quem te faz sofrer. Você está aqui pra APRENDER e descobrir os caminhos que te levam pra mais perto dessa condição. E saber disso te liberta da prisão que você mesma criou e que te faz vibrar na culpa por não se doar tanto a pessoas que nunca sequer te agradecerão!

Apesar de parecer um caminho florido, que te leva diretamente pro céu, o amor incondicional é um lugar que certamente você não vai gostar de chegar… porque pra amar o outro sem condição alguma significa não se amar em primeiro lugar.

E se você quer aprender mais sobre como construir e manter relações saudáveis pautadas na liberdade e no autoconhecimento, eu te convido a acompanhar nosso conteúdo diário no Instagram!

Publicado por:Tranquilize

Um comentário sobre ldquo;A verdade por trás do “Amor Incondicional”

  1. ” Avalie se o que te impede de amar está no outro ou em você ” – puts!

    Esses dias eu estava comentando com meu irmão, sobre um relacionamento bem tóxico ai que eu vivi , e foi um tapa na minha cara ver que uma das coisas (manipulação) começou a vir dos dois lados. Ou seja, não era SÓ sobre o outro, era sobre mim também ! E cara, eu fiquei extremamente chateada comigo mesma. Comecei a não responder mais com amor , empatia e compreensão por, na minha concepção de relação saudável, não estar recebendo isso. A coisa tava cagada porque eu também tava cagando.
    Ou seja, amor incondicional que nada né?

    Tive que assumir a imaturidade para trocar com alguém naquele momento (bem contrária ao que eu imaginava) e não deixar meus gatilhos de feridas serem acionados (falhei). Assumir quais eram as minhas necessidades essenciais e mais do que isso, assumir que elas existiam.

    Notei também que amo mais as pessoas (em geral) que julgo estarem “carentes” de afeto e julgo também, ter esse afeto. Fora as que e amo mais porque me validam de alguma maneira. [quanto ego]

    Enfim, já falei muito. <3

Deixe uma resposta