Todos nós sentimos o tal do medo. Medo de barata, medo de morrer, medo de perder as pessoas que amamos, medo de montanha russa… O medo é uma emoção natural (e muito bem vinda, por sinal!) que ajudou nossos ancestrais a não se meterem em situações de altíssimo risco e, por isso, estamos aqui hoje!

Eu – Paula – sempre tive muito medo de aranhas. Era um medo paralisador que me tirava completamente do eixo. Demorei muito pra entender de onde o medo de aranhas vinha e como eu poderia amenizar (ou aprender a lidar com ele).

Meu medo foi classificado como fobia e eu precisei de algumas sessões de terapia pra entender que de nada adiantava tentar fazer com que ele desaparecesse e que o caminho era aprender a LIDAR com ele.

Assim como os traumas, os medos são registrados numa parte do cérebro que não permite que você delete nenhum “arquivo”. Sim! Medos e traumas estão guardadinhos no mesmo lugar e tirar eles de dentro da sua cabeça não é tão simples quanto dizem por aí!

Lembra do filme Divertidamente
(Inside Out)?

Até hoje não vi nada que ensinasse tanto sobre as emoções e de forma tão simples e divertida! Dentre tantas coisas legais que o filme aborda, a que mais me chama atenção é a forma clara com que ele mostra a importância das emoções que as vezes gostaríamos de não ter dentro de nós, como a tristeza, o nojo e o MEDO.

O filme mostra o medo como algo essencial para a nossa sobrevivência. E de fato ele é!
É o medo, por exemplo, que nos impede de pular de um penhasco, assim como também é o medo que nos ajuda a medir os perigos de uma decisão do dia a dia.

Eu poderia passar horas falando desse filme, mas vamos voltar ao foco desse post!

Os medos variam de pessoa pra pessoa. Mas existe um medo que parece ser cada dia mais comum:

O MEDO DE DAR CERTO

E por que falar desse medo especificamente é tão importante?

Porque ele é traiçoeiro. Ele é daqueles que você prefere guardar no quarto escuro das emoções porque não consegue aceitar que ele existe ai dentro.

Todo mundo parece ter medo de dar errado, né?
Mas nem todo mundo consegue aceitar que tem medo de dar certo!

Vamos pensar assim:

Nosso instinto vem de fábrica com uma voz que eu vou nomear de “Tio Ben” (pegou a referência? 🕷). Esse tio Ben insiste em te lembrar todos os dias que “grandes poderes geram grandes responsabilidades”.

Filme: “SpiderMan”

Essa voz – o Tio Ben – repete incansavelmente dentro da sua cabeça que ter sucesso é penoso, que dar certo pode significar que outros deram errado e, ainda, no contexto distorcido da humildade, a tal voz te faz acreditar que ser grande, ter sucesso ou dar certo é um passe direto para a arrogância.

E agora vem a verdade dolorida de ler, mas que saber dela é o único meio possível de te libertar:

O medo de dar certo domina, geralmente, aqueles que julgam quem já deu certo. Ele domina a mente dos que diminuem as conquistas dos outros com o olhar julgador que duvida dos méritos alheios.

O medo de dar certo é o seu maior inimigo, e você precisa aprender a lidar com ele.

Esse “medo de dar certo” usa a autossabotagem como meio.
Ele te paralisa quando a sua ideia brilhante parece ser executável. Te seduz a reduzir o ritmo quando você está na sua mais alta performance. Ele também faz você criar desculpas – muitas vezes até plausíveis – que te impedem de se arriscar em questões que não te oferecem um risco real.

Além do julgamento que fazemos sobre o sucesso dos outros, uma outra causa desse medo é a distorção do conceito de humildade (nota: tem um vídeo no nosso canal do Youtube em que eu explico melhor nossa visão sobre esse tema! Dá uma olhadinha lá depois de ler esse post. Vai te fazer pensar melhor sobre o assunto!).

No geral, as pessoas que têm medo de dar certo são as que se sentem lisonjeadas e orgulhosas em dizer que são humildes! Elas foram ensinadas que humildade é uma qualidade e passaram a temer amargamente a possibilidade de não serem vistas como tal.

E por que rola essa confusão?
Bem, existe um conceito de humildade que nos leva diretamente a duas conclusões distorcidas:

i) que para ser humilde é preciso se colocar em posição de inferioridade diante do outro; e
ii) que humildade é uma qualidade.

Percebe o perigo dessas duas afirmações juntas?

Quando distorcemos o conceito de humildade dizendo que ela tem a ver com se comportar ou se sentir menor que o outro e, ainda, completamos dizendo que isso é uma qualidade, nós assumimos como normal a desconsideração do poder pessoal, da individualidade e do valor que cada ser humano possui em si.

É como se nos colocássemos propositalmente numa encruzilhada dolorosa e destrutiva, em que é preciso sempre escolher entre a “qualidade” de sermos humildes e o desejo de colher os frutos positivos da nossa dedicação e competência!

A humildade (o conceito distorcido dela!) te faz acreditar que o que você sabe não serve pra nada, que sempre haverá alguém melhor que você em tudo, que suas experiências e conhecimentos não valem nada. E aí é que entra a cilada:

O medo de dar certo é ainda maior e mais paralisante quando, ao considerar a humildade (distorcida) como qualidade, você – ainda que inconscientemente – acaba por condenar àqueles que sob sua visão estejam dando certo.

É nessa hora que você paralisa! Porque o seu medo real não é de dar certo, mas sim de ser visto pelas pessoas com os olhos condenadores com que você olha pros que deram certo primeiro.

“Ok! Entendi! Mas e aí? Como eu resolvo isso?”

Bem, aqui vão algumas sugestões do que você pode começar HOJE para lidar com seu medo de dar certo:

– Avalie se você realmente tem medo de dar certo ou se, na verdade, o que te falta é clareza do que quer;

– Caso você identifique esse medo em você, reconheça-o e identifique qual é sua real origem (eu sei, é desafiador reconhecer que esse medo nasce do olhar critico que você tem sobre os outros, mas saber disso é o único meio possível pra estancar esse comportamento!);

– Escreva sobre o que significa “dar certo” pra você. Seja clara(o) e sincera(o) com você!

– Dedique algum tempo a responder as seguintes perguntas usando respostas 100% práticas e concretas:

O que eu vou CONQUISTAR se tudo der certo?
Exemplos: tranquilidade financeira, reconhecimento, fama, liberdade espacial, tempo para curtir as crianças, dinheiro pra comprar uma casa nova… seja honesta(o) quanto aos seus desejos! Ninguém além de você mesma(o) vai te julgar por isso!;

O que eu vou PERDER se tudo der certo?
Exemplos: perderei o apoio financeiro dos meus pais, a paz de não ter grandes responsabilidades, a possibilidade de acordar a hora que eu quiser, o conforto de não gerar expectativas nas pessoas, a liberdade de agir sem maiores consequências;

Do que eu vou me LIVRAR se tudo der certo?
Exemplos: me livrarei da preocupação de não ter dinheiro para pagar as contas, da pressão dos meus familiares, da dependência financeira do meu marido, do meu chefe atual que é abusivo, do julgamento dos outros;

Por fim:
O que de pior pode acontecer se tudo der certo?
Exemplos: as pessoas me verão como alguém arrogante, duvidarão da minha capacidade, questionarão meus resultados, eu posso perder tudo de uma hora pra outra, eu serei considerada uma fraude, não terei tempo de brincar com meus filhos e eles não me amarão mais.

Respondidas essas perguntas, releia-as e reescreva-as com uma visão positiva, entusiasmada e apaixonada por todas as oportunidades que você pode e vai criar para si mesma(o).

A verdade é que o seu medo de dar certo nada mais é do que uma proteção que a sua mente cria para evitar que você acesse algo novo.

Nosso cérebro se sente bem no que é conhecido, repetitivo e esperado. Qualquer coisa fora disso faz com que ele se recuse a persistir. O poder de desafiá-lo é todo e somente seu.

E anote ai: esse poder é muito maior do que você pode imaginar!

Com amor,
Paula Boschi
Escritora, Mentora de Autodesenvolvimento e Terapeuta

Publicado por:Tranquilize

4 comentários sobre “Você tem medo de dar certo?

  1. O que de pior pode acontecer se tudo der certo? – continua sendo a chave / gatilho da virada pra mim hahahah
    (posso te ouvir me falando isso na terapia)

Deixe uma resposta